Magnéticos 90: a geração do rock brasileiro lançada em fita cassete

 

Gabriel Thomaz e Daniel Juca
(Edições Ideal, 2016)

As memórias e as caixas de demo-tapes de Gabriel Thomaz (Autoramas) transformadas em HQ através do traço de Daniel Juca (Tarja Preta), resultando num registro histórico da cena independente dos anos 90.

Gabriel Thomaz é um herói do rock independente brasileiro. E também um grande e inquieto colecionador. Há mais de 20 anos que ele viaja pelo mundo com a missão não somente de produzir e tocar a sua música, mas também com a sede de conhecer e divulgar várias e várias bandas do mundo inteiro. Numa era pré-Internet, esse criativo menino de topete alto, enchia a mochila com gravações dos outros – as chamadas fitas-demo – para apresentar a produtores, músicos, jornalistas e amigos que foi conhecendo em suas andanças. E voltava para casa com outro pacotão de K7s! Faz isso até hoje aproveitando, claro, os novos formatos da tecnologia, sem perder o espírito peregrino e, sobretudo, o amor pelo rock.

Gabriel decidiu agora contar algumas de suas muitas histórias. Para isso, nada melhor que o universo dos quadrinhos, eterna fonte de inspiração. Magnéticos 90 é um divertido – e até didático – resgate da cena roqueira nacional dos anos 1990, sem deixar de lado a conjuntura política e social brasileira na retomada do processo democrático. Nas tirinhas desenhadas por Daniel Juca, em mais de 200 páginas, ele mostra experiências pessoais e traça um roteiro de aventuras e desventuras em série, de vários personagens e “roubadas”.

Paralelamente, lembra (ou apresenta às novas gerações) muitos aspectos da época: de bandas a lojas, espaços de shows, festivais, publicações e programas de TV e rádio. Das relações com gravadoras e com a mídia, do surgimento da MTV Brasil, e do início de vários grupos que se tornaram sucesso nacional, tais como Raimundos, Planet Hemp e Los Hermanos, por exemplo. E de outros tão importantes quanto esses: Júpiter Maçã, Acabou La Tequila ou Penélope.

Num país em que a memória lamentavelmente está cada vez mais curta, Magnéticos 90 cumpre muito bem o papel de não deixar perdida a história de toda uma geração musical. Pode servir perfeitamente para roteiro de um grande documentário – e não duvide que isso aconteça um dia! Como entoa o próprio Gabriel Thomaz nos palcos: RRRRRRROCK!

Marcos Pinheiro
Jornalista, produtor e apresentador do programa de rádio Cult 22 (no ar desde 1991)

…………………………………..

Sobre os autores:

Gabriel Thomaz é músico e compositor. Nos anos 90, formou a banda brasiliense Little Quail & The Mad Birds e tocou também no Acabou La Tequila. Hoje é guitarrista e vocalista do Autoramas – com quem já fez shows em 20 países pelo mundo e todos os Estados do Brasil – e também do projeto Lafayette & Os Tremendões. Como compositor teve hits gravados por bandas como Raimundos e Ultraje a Rigor. Tem um selo chamado Gravadora Discos. É um entusiasta do Rock Brasileiro em todas as suas vertentes, gerações e formatos – Digital, Vinil, CD ou K7.

Daniel Juca é jornalista, cartunista, ilustrador e designer gráfico. Na década de 90, editou o fanzine HC pra mim pra você e “cantou” nas bandas Melissa, de skapunk, e Milano, de thrashcore. De lá pra cá, coeditou a cultuada revista independente Tarja Preta, onde começou a publicar suas tiras Pilha Errada, entre outros trabalhos. Ele dirigiu e produziu o filme Malditos Cartunistas. É também DJ do Bangarang Sound System e das festas Avalanche, Ninfadelica, Oh Play That Thing! e Hula-Hula a Go-Go, sendo que nessa última divide as carrapetas com o amigo Gabriel Thomaz.

………………………

“Magnéticos 90 é um divertido – e até didático – resgate da cena roqueira nacional dos anos 1990.”
– Marcos Pinheiro, apresentador do programa de rádio Cult 22

“Num país em que a memória lamentavelmente está cada vez mais curta, Magnéticos 90 cumpre muito bem o papel de não deixar perdida a história de toda uma geração musical.”
– Marcos Pinheiro, apresentador do programa de rádio Cult 22

“A fita demo foi o suporte mais democrático e mais prático para a maioria das bandas da época. O vinil havia sido assassinado pelas majors e o CD ainda não era algo tão barato e simples de se produzir no começo da década.”
– Rodrigo Lariú, do selo Midsummer Madness

“As bandas dos anos 1990 criaram uma infraestrutura para uma cena independente brasileira. Foi por causa dos fanzines e das demos que os festivais apareceram, que a imprensa e as gravadoras prestaram atenção e a coisa explodiu. E elas deixaram a música. Que precisa ser ouvida. Existe uma riqueza só registrada em fitas demo.”
– Rodrigo Lariú, do selo Midsummer Madness

………………………

FICHA TÉCNICA:

Título: Magnéticos 90: a geração do rock brasileiro lançada em fita cassete
Preço de capa: R$ 49,90
ISBN: 978-85-62885-60-0
Ano: 2016
Idioma: Português
Páginas: 224
Tamanho: 21 cm x 21 cm x 1,5 cm
Acabamento: Brochura
Autor: Gabriel Thomaz
Ilustrador: Daniel Juca
Fotos: Sim
Edição:
Tema principal: História em quadrinhos
Tema secundário: Rock brasileiro
[/vc_column_text][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_column_text css_animation=””]

Embed code
[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]